PERCEPÇÃO DE ALUNOS SOBRE A RELAÇÃO SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Priscila Daniele Fernandes Bezerra Souza, Daniele Bezerra Santos

Resumo


As alterações ocorridas no ambiente, oriundas das atividades frequentes do ser humano, constituem uma ameaça ao controle da saúde do homem, fato este que pode está associado a má relação do homem com o ambiente, envolvendo assim a sua percepção dessa relação. Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo analisar a percepção de alunos do Ensino Fundamental II da Escola Estadual Monsenhor Walfredo Gurgel localizada no município de Natal (RN), sobre a relação meio ambiente e saúde e como a escola aborda a temática com seus discentes. A pesquisa foi realizada com 126 alunos, utilizando como instrumento de pesquisa um questionário estruturado com questões abertas e fechadas. Observou-se durante a pesquisa que a totalidade do público entrevistado acredita que o homem age de forma degradante com o meio, ocasionando diferentes alterações na paisagem local, além disso, Além disso, os alunos acreditam que estes impactos ambientais afetam a saúde das pessoas que moram na região (80,3%). Foi observado ainda que a escola apresenta um papel importante na disseminação do cuidado e conhecimento sobre as questões ambientais. Para tanto, é necessário acentuar a criticidade do conteúdo aplicado a estas questões nos debates realizados no ambiente escolar a fim de minimizar os impactos ambientais locais, bem como reduzir a incidência das doenças de cunho ambiental.

Palavras-chave


Percepção. Meio Ambiente. Saúde. Alunos. Pibid.

Texto completo:

PDF

Referências


BARCELLOS, Christovam et al . Mudanças climáticas e ambientais e as doenças infecciosas: cenários e incertezas para o Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 18, n. 3, set. 2009.

BAY, A. M. C.; DA SILVA, V. P. Percepção Ambiental de Moradores do Bairro de Liberdade de Parnamirim/RN sobre a Implantação do Esgotamento Sanitário. HOLOS, v. 3, p. 97-112, 2011.

BRAGA, A.; PEREIRA, L. A. A.; SALDIVA, P. H. N. Poluição atmosférica e seus efeitos na saúde humana. Trabalho apresentado no evento de sustentabilidade na geração e uso de energia, UNICAMP, v. 18, 2002.

CARMO, Eduardo Hage; BARRETO, Maurício Lima; SILVA JR., Jarbas Barbosa da. Changes in the pattern of morbidity and mortality of the brazilian population: challenges for a new century. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 12, n. 2, jun. 2003.

OLIVEIRA, M. V. M. de; ROSIN, J. A. R. de G. ARBORIZAÇÃO DOS ESPAÇOS PÚBLICOS: UMA CONTRIBUIÇÃO À SUSTENTABILIDADE URBANA. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 1, n. 3, 2013.

ESTEVES, L.M. Da teoria à prática: educação ambiental com as crianças pequenas ou o Fio da História. Porto: Porto Editora, 1998.

FERNANDES, R. S., SOUZA, V. J., PELISSARI, V. B., FFERNANDES, S.T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Rede Brasileira de Centros de Educação Ambiental. Rede CEAS. Noticias, 2009.

GOUVEIA, N. Air pollution and health effects in São Paulo, Brazil: a time-series analysis.

London, 1998.

GOUVEIA, N. Saúde e meio ambiente nas cidades: os desafios da saúde ambiental. Saúde e Sociedade. 1999.

ITANI, A.; VILELA JUNIOR, A. Meio ambiente & saúde: desafios para a gestão. InterfacEHS-Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 1, n. 3, 2013.

JUNIOR, V. L. P.; LUZ, K. PARREIRA, R.; FERRINHO, P. Zika Virus: A Review to Clinicians. Acta Médica Portuguesa, v. 28, n. 6, p. 760-765, 2015.

MARTINHO, L. R.; TALAMONI, J. L. B. Representações sobre meio ambiente de alunos da quarta série do ensino fundamental The representations of Environment by fourth graded students of Elementary School. Ciência & Educação, v. 13, n. 1, p. 1-13, 2007.

MOHR, A.; SCHALL, V. T. Rumos da educação em saúde no Brasil e sua relação com a educação ambiental. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 199-203, 1992.

OLIVEIRA, S. S.; GUERREIRO, L. B.; BONFIM, P. M. Educação para a saúde: a doença como conteúdo nas aulas de ciências. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 4, n. 14, p. 1313-1328, 2007.

PEREIRA, C. A. R.; MELO, J. V. de; FERNANDES, A. L. T. A educação ambiental como estratégia da Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 7, n. 23, p. 108-116, 2012.

PITANGA, F. J. G. Epidemiologia, atividade física e saúde. Revista Brasileira de, 2002.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de educação ambiental transformadora e emancipatória. In: LAYRARGUES, P. P. (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. p. 113-140.2004.

REIS, J. R. G. et al. Vigilância em Saúde Ambiental: interferência do ambiente na saúde humana em um município de Minas Gerais. Investigação, v. 12, n. 2/3, 2013.

SILVA, E. L. Avaliação da percepção ambiental de estudantes do ensino médio em Seropédica – RJ. Dissertação apresentada no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 2014.

SILVA, A. M.; SILVA, R. M. da; ALMEIDA, C. A. P. de; CHAVES, J. J. da S. Modelagem geoestatística dos casos de dengue e da variação termopluviométrica em João Pessoa, Brasil. Soc. nat., Uberlândia , v. 27, n. 1, p. 157-169, Apr. 2015.

SIQUEIRA, M.M.; MORAES, M.S. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009.

TRACANA, R. B.; FERREIRA, M. E.; CARVALHO, G. S. de. Concepções de (futuros) professores portugueses sobre educação ambiental: Identificação das dimensões ‘ecocêntrica’,‘antropocêntrica’e ‘sentimentocêntrica’. Revista Brasileira de pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 2, p. 111-127, 2012.

WEIHS, M.; MERTENS, F. Os desafios da geração do conhecimento em saúde ambiental: uma perspectiva ecossistêmica. Cien. Saude Colet. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Carpe Diem: Revista Cultural e Científica do UNIFACEX ISSN 1518-5184 (Impressa) ISSN 2237-8685 (Online)  UNIFACEX- Centro Universitário FACEX Rua Orlando Silva, 2897 Capim Macio - Natal/RN - CEP: 59080-020